Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cais da Escrita

Blog destinado à publicação de trabalhos dos alunos do Agrupamento de Escolas de Albergaria-a-Velha visando promover o gosto pela leitura e pela escrita. Que os alunos escrevam por prazer, com criatividade e imaginação. Desde 25 de outubro de 2011.

Cais da Escrita

Blog destinado à publicação de trabalhos dos alunos do Agrupamento de Escolas de Albergaria-a-Velha visando promover o gosto pela leitura e pela escrita. Que os alunos escrevam por prazer, com criatividade e imaginação. Desde 25 de outubro de 2011.

Pela turma do 4.º A, da EB de Albergaria.

O 25 de Abril e a Liberdade

 

25-de-abril.jpg

Palavra puxa palavra

Liberdade para todos

Todos nós

Nós pessoas de todo o Mundo

Mundo de todos

Todos precisam de Liberdade

Liberdade para viver é muito importante

Importante como a água

Água e liberdade para todos

Todos somos importantes

 

Acróstico

Liberdade para todos

Importante na nossa vida

Bem precioso como um tesouro

Esperança e fraternidade

Responsabilidade sempre com liberdade

Dia inesquecível o 25 de Abril de 1974

Antes não havia liberdade

Democracia que deve ser protegida

Em todos os países deveria existir Liberdade

 

Da turma do 4.º A da 

EB de Albergaria-a-Velha

Professora Titular de Turma: Carmo Delgado

A Cigarra e a Formiga V

A Cigarra e a Formiga

a-cigarra-e-a-formiga.gif

 

A cigarra, tendo cantado todo o verão
Encontra-se sem uma migalha de pão
Quando vento frio chegou
Nem um pedaço de mosca
Ou outro verme qualquer
E de forma a gritar
Vai á porta da formiga tocar
Implora que me empreste
Um grão qualquer que a alimente
Até á estação seguinte
Depois do frio passar
-Vou poder pagar-disse a-
Juro e capital
Palavra de animal
Mas, pensando bem, não vou poder pagar
Porque estou a atrasar
O inverno a vir
E não vou poder dormir.

Leonor Miranda, 5º B

Professora Eugénia Moura

 

A Cigarra e a Formiga IV

A cigarra e a formiga

CD_cigarra_formiga.jpg

A cigarra, tendo cantado todo o verão,
Encontrava-se sem uma migalha de pão
Quando o vento frio chegou.
Nem um pedaço de mosca,
Ou outro verme qualquer.
E, de fome a gritar,
Implora que lhe empreste
Um grão qualquer que a alimente
Até à estação seguinte.
Depois do frio passar,
-Se calhar consigo pagar- disse ela 
O juro e o capital.
Palavra de animal.
-Que fizeste, durante o tempo quente? -
Perguntou a formiga à cigarra.
Noite e dia sem descanso.
Ao desafio cantei para te alegrar.
-A sério! Cantaste? Pois bem,
Agora nada te vou dar.

Leonardo Cruz, 5ºB

Professora Eugénia Moura

A Cigarra e a Formiga III

A Cigarra e a Formiga

a-formiga-e-a-cigarra-8.jpg

Numa bela tarde de verão, a formiga trabalhava arduamente para que no inverno tivesse a sua arrecadação cheia de comida. Enquanto a cigarra cantava e tocava. A formiga avisou-a:
- Querida amiga cigarra, tu assim nunca conseguirás comida para o inverno.
A cigarra disse-lhe:
- Não te preocupes. Eu fico bem.
Quando chegou o inverno, a formiga estava quentinha à sua lareira quando lhe bateram à porta.
- Quem é? – perguntou ela.
-É a cigarra. – disse a tremelicar.
A formiga abriu-lhe a porta gentilmente.
- Amiga formiga, podes ajudar-me?
-De que é que necessitas? – questionou a formiga.
- Preciso de abrigo e alimento. – informou a cigarra.
- Desculpa lá, mas eu não te vou ajudar, porque tu não trabalhaste nada durante o verão, por isso, não te vou dar nada.- disse isso fechando a porta.
A cigarra triste, continuou a sua caminhada em busca de abrigo e alimento.
Passado algum tempo, encontrou outro formigueiro e bateu à porta.
- Quem é? – perguntou uma voz rouca.
- É a cigarra. – respondeu ela.
Ao abrir a porta viu que era uma formiga muito velha.
- A senhora pode ajudar-me? – perguntou a cigarra.
- Posso! – respondeu a velha.
- Eu precisava de alimento e abrigo. – pediu a cigarra.
- Podes entrar, mas espera um pouco, porque tenho que ir ao outro formigueiro buscar a comida. – esclareceu a velha formiga.
- Muito obrigada! – agradeceu a cigarra.
Depois de terem partilhado um bom jantar, a cigarra tocou uma bela música como sinal de agradecimento.
A velha formiga levantou-se de repente e, ao som da música, começou a dançar freneticamente. A cigarra ficou espantada.
Enquanto dançava, a cabeleira da velha formiga voou pelos ares e os seus óculos caíram ao chão. A cigarra parou de tocar e ficou de boca aberta a olhar para ela, pois aquela era a formiga que não a quis ajudar.
- O que é isto?
A formiga parou de dançar e disse-lhe com um ar amigável:
- Eu, depois de te ter mandado embora do meu formigueiro apercebi-me que tinha feito mal em não te ajudar e logo depois decidi disfarçar-me e ajudar-te. Tu podes ficar com este formigueiro e eu divido contigo a comida.
A partir desse dia, ficaram muito amigas. Durante o resto do inverno, a cigarra tocava e a formiga dançava.


Filipa Araújo, 5º B

Professora Eugénia Moura

 

A Cigarra e a Formiga II

A Cigarra e a Formiga

formiga.png

A Cigarra, tendo cantado durante todo o verão,
Encontrava-se sem uma migalha de pão
Quando o vento frio chegou.
Nem um pedaço de mosca,
Ou outro verme qualquer.
E, de fome a gritar,
Vai à porta da formiga tocar.
Implora que lhe empreste
Um grão qualquer que a alimente
Até à estação seguinte.
Depois de o frio passar,
-Vou poder pagar – disse ela -,
O juro e o capital.
Palavra de animal.
- Que fizeste, durante o tempo quente? –
Perguntou a formiga à cigarra indigente.
- Noite e dia sem descanso
Ao desafio cantei para te alegrar.
- Ah, cantaste? Pois bem,
Trata agora de te calar.
Depois de algumas horas a cigarra foi lá a casa
- Está tudo de pernas para o ar formiga – disse ela,
A cigarra virou-se e viu a formiga morta,
Porque esta estava cheia de cansaço.


Beatriz Alves Pereira, 5ºB

Prof. Eugénia Moura

 

A Cigarra e a Formiga I

A cigarra e a formiga

A-Cigarra-e-a-Formiga-.jpg

A cigarra, tendo cantado durante todo o verão
Encontrava-se sem uma migalha de pão
Quando o verão chegou.
Nem um pedaço de mosca,
Ou outro verme qualquer.
E, de fome a gritar,
Vai à porta da formiga tocar.
Implora que lhe empreste
Um grão qualquer que a alimente
Até à estação seguinte.
Depois de o frio passar,
- Vou poder pagar - disse ela -,
O juro e o capital.
Palavra de animal.
- Mas afinal o que é que fizeste durante o verão?
A cigarra respondeu que tinha estado a ver televisão.
- Mesmo assim vais dar-me um pouco das tuas migalhas?
- Sim claro, mas só te dou porque sei que se estivesse no teu lugar tu irias fazer o mesmo.

Ana Rita Pereira, 5º B

Professora: Eugénia Moura

Mais sobre este Cais

Selo BloguesEDU

O Tempo para hoje

(clicar na imagem para outras previsões)

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D